. . .

“Greve virtual” é responsável por pane no WhatsApp, Instagram e Facebook?

Na manhã desta quarta-feira, 3, o Instagram começou a demonstrar certa instabilidade no sistema. Na sequência, usuários do WhatsApp e do Facebook passaram a reclamar de uma pane geral: não dá para baixar fotos e vídeos, conteúdos não carregam corretamente, a comunicação está sendo afetada. Todas as três redes são de Mark Zuckerberg e a pergunta que não quer calar é: teria essa falha generalizada algo a ver com uma “greve virtual” agendada para a próxima quinta-feira, 4?

Se você não está entendendo nada, saiba que Larry Sanger, um dos cofundadores da Wikipédia, está organizando uma greve online para protestar contra o monopólio da web, em especial por parte de Mark. Chamada de #SocialMediaStrike, a ideia visa um sistema descentralizado de redes sociais. Segundo Larry, hoje, as plataformas online são infinitos cofres de informações – e nem sempre os usuários sabem disso ou são devidamente avisados. Com a greve, o americano quer alertar as pessoas sobre o assunto. Sanger pede um silêncio coletivo online entre os dias 4 e 5 de julho. Nas redes, principalmente nas três comandadas por Mark, as pessoas devem apenas postar o link da “Declaração de Independência Digital” (que você pode conferir na íntegra clicando aqui) e e usar a hashtag oficial da campanha.

Algumas pessoas estão realmente apoiando a ideia do americano. Outras, contudo, não querem aderir à greve e acham ainda que ela é sem fundamento. Não sabe-se ao certo se a pane desta quarta-feira no Instagram, WhatsApp e Facebook tem alguma relação à “greve virtual” mas acredita-se que seja apenas mais um dos muitos bugs que acontecem de vez em quando na internet.


E você, acha que essa história toda é apenas coincidência ou tem uma teoria da conspiração por trás de tudo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *