A opção bem útil no Instagram que pode estar a caminho

O Instagram está desenvolvendo uma nova funcionalidade que permitirá aos utilizadores editar a configuração visual dos respectivos perfis, efetivamente reorganizando as publicações.

Quem o diz é Alessandro Paluzzi, um ‘leaker’ conhecido por desvendar este tipo de informação antes do tempo e compartilhar as suas descobertas na respectiva página do Twitter. Ainda não se sabe se esta funcionalidade se trata apenas de um teste ou se, por outro lado, virá a se tornar uma funcionalidade acessível a todos os usuários.

Tendo em conta que várias pessoas que trabalham diariamente com o Instagram gostariam de ter este tipo de capacidade, diríamos que há uma forte probabilidade de a empresa vir a lançá-la na versão final do app.


'Flurona' pode causar quadros respiratórios mais graves? Entenda

(FOLHAPRESS) - Casos de 'flurona', como ficou conhecida a coinfecção de Covid-19 e influenza, já foram registrados em algumas partes do país. Os diagnósticos surgem em um momento em que o Brasil enfrenta uma forte onda de quadros gripais severos que já lotam hospitais em algumas cidades.

A reportagem conversou com alguns especialistas para entender se existe alguma peculiaridade em casos de uma pessoa que é infectada por dois vírus e quais os efeitos que a dupla infecção por Covid-19 e influenza pode ter em um paciente.

O primeiro ponto é que uma dupla infecção causada por vírus é comum, explica Fernando Spilki, virologista e coordenador da Rede Corona-ômica BR-MCTI, um projeto de laboratórios que sequencia os genomas de amostras do Sars-Cov-2 no Brasil.

"Quando você vai estudar fora de um período de pandemia [...], você encontra um percentual muito alto de coinfecção [entre diferentes vírus]", afirma.

Spilki detalha que, em 2020, primeiro ano da pandemia, já tinham sido detectados casos de coinfecção entre Sars-CoV-2 e H1N1. Esses diagnósticos eram mais raros porque havia pouca circulação de influenza no Brasil. No entanto, o cenário mudou.

"Agora, a tempestade perfeita está formada: você tem muitas infecções por H3N2, especialmente por essa cepa Darwin que é responsável por esse surto atual no Brasil, e por outro lado você tem [...] uma onda se formando com ômicron. Então vai dar muita chance para que as pessoas se coinfectem com esses dois [patógenos]", diz.

Mesmo com esse cenário, Spilki afirma que não existem indicações que um diagnóstico positivo de gripe e Covid possa acarretar situações mais graves nos pacientes.
"A gente inclusive vê casos de coinfecção em pessoas com doença leve, então não é o fato de ter a coinfecção [que necessariamente indica a severidade da doença]", afirma.

É a mesma visão de Cristina Bonorino, imunologista e professora da UFCSPA (Universidade Federal de Ciência da Saúde de Porto Alegre).

"Parece ser uma coisa intuitiva dizer que, se tem mais de um vírus ao mesmo tempo, vai ficar pior, mas na verdade não é isso que acontece, depende muito da pessoa, da idade, das comorbidades", afirma.

Para o caso de coinfecções com Sars-CoV-2, Bonorino explica que "nenhum [estudo] mostra um risco aumentado", mas ela também ressalta a necessidade de continuar monitorando a situação, já que o coronavírus ainda é muito novo.

Ela também diz que os casos de coinfecção agora estão sendo mais relatados porque as medidas sanitárias estão sendo relaxadas, o que não tinha acontecido em larga escala anteriormente.

"A gente teve uma queda nos casos de influenza no ano passado por causa do distanciamento e por causa das máscaras, que inibem a circulação de todos os vírus. No que as restrições começaram a afrouxar, começaram os pequenos surtos de outros vírus e agora está tendo de gripe", afirma.

Aspecto parecido é apontado por Maurício Nogueira, professor da faculdade de medicina de São José do Rio Preto. Ele diz que a maior circulação de diversos vírus pelo país é "reflexo da total liberalização que a gente fez depois de dois anos parados".

O panorama crítico já é sentido em diferentes regiões. Hospitais, por exemplo, já precisam lidar com o aumento de pacientes com Srag (Síndrome Respiratória Aguda Grave). Gerson Salvador, médico do hospital universitário da USP (Universidade de São Paulo), já observou o aumento de casos críticos no atendimento a pacientes.

Ele relata que, em meados de novembro, já era visível o aumento do número de pacientes com Srag e que a maioria era de casos positivos de influenza. Salvador relaciona isso com a epidemia de gripe no Rio de Janeiro.

Em dezembro, no entanto, os números de casos a Covid-19 também subiram. "A gente viu aumentar muito rápido os casos de Covid-19. Nesse momento, a gente tem que lidar com pacientes com influenza e Covid grave", relata Salvador.

O médico, entretanto, reitera que essa situação não se relaciona necessariamente à coinfecção em si de coronavírus e influenza, mas sim à alta taxa de disseminação dos dois vírus pelo Brasil, que podem resultar em complicações respiratórias mesmo em infecções de somente um dos patógenos.

"Estar infectado com dois vírus ao mesmo tempo não quer dizer que vai ter quadro de maior gravidade. [Isso] não é uma outra doença", afirma.

Nogueira também defende que a coinfecção entre vírus não deve ser o ponto central de preocupação, por ser "um fenômeno relativamente comum".

"Nós temos que nos preocupar com a Covid, com as formas de transmissão e com a vacinação", diz.

Os diagnósticos de Sars-CoV-2 voltaram a subir de forma vertiginosa diante da variante ômicron, que tem uma alta taxa de transmissibilidade.

Um levantamento feito com mais de 2.400 amostras de testes RT-PCR especiais identificou uma prevalência média de 92% da nova variante nos positivados a Covid-19 no Brasil.

Dados preliminares também já indicam que o esquema vacinal de duas doses ou dose única tem redução significativa de anticorpos neutralizantes contra a ômicron. Mesmo assim, os imunizantes ainda são de extrema importância para evitar casos graves da doença, como hospitalizações e mortes.

Para Nogueira, inclusive, a transmissão exacerbada da ômicron e a vacinação defeituosa de crianças são os grandes problemas sanitários brasileiros que precisam ser enfrentados.

"A ômicron, a alta taxa de transmissão e o atraso para vacinar criança: esses são problemas que a gente tem que discutir", conclui.


Bolsonaro volta a criticar vacinação anticovid em crianças: 'óbito é quase zero'

O presidente Jair Bolsonaro voltou a criticar a vacinação de crianças contra a covid-19 nesta segunda-feira, 10. Em entrevista à Rádio Sarandi, do Rio Grande do Sul, o chefe do Executivo disse que a Pfizer, farmacêutica que produz imunizantes para a faixa etária entre 5 e 11 anos, não se responsabiliza por possíveis efeitos colaterais. A aplicação da vacina nessa faixa etária, contudo, foi recomendada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

"As crianças podem contrair o vírus, sim, mas quase não sentem. Óbito é quase zero", afirmou Bolsonaro. Dados do próprio Ministério da Saúde, porém, mostram mais de 300 mortes de crianças devido à covid-19. O presidente também voltou a dizer que os pais decidirão se seus filhos serão imunizados ou não.

Depois de tentar dificultar a vacinação de crianças de 5 a 11 anos, ao considerar a exigência de uma prescrição médica, o Ministério da Saúde anunciou que o processo começará ainda em janeiro. Nesta semana, devem chegar as primeiras doses do imunizante da Pfizer para esse grupo etário.


BR Israel aprova 4ª dose para maiores de 60 anos

https://www.youtube.com/watch?v=qs-iKjTNcOU


CBF elabora documento com impactos da covid-19 nas temporadas 2020 e 2021

Após o término da segunda temporada do futebol brasileiro disputada em meio a pandemia do novo coronavírus, a Diretoria de Competições da CBF divulgou um balanço com os impactos da covid-19 nas 21 competições coordenadas pela entidade. O documento, intitulado O impacto da COVID-19 nas Competições CBF em 2020 e 2021, traz números, estatísticas e também lista as ações realizadas para que a bola pudesse rolar nos gramados do país.
https://tatanews.com.br/
O trabalho da CBF com o protocolo sanitário para a covid-19 começou já em março de 2020, assim que as competições do futebol brasileiro foram paralisadas. Foram cerca de quatro meses sem partidas, com a realização de seminários com infectologistas, pesquisadores de universidades e 142 médicos de clubes, além dos médicos das seleções principais, adulta e base.

O resultado dessa intensa troca de experiências foi a publicação, em junho de 2020, do Guia Médico de Sugestões Protetivas para Retorno às Atividades do Futebol Brasileiro, por parte da Comissão Médica Especial da CBF, e, posteriormente, a elaboração da Diretriz Técnica Operacional para o Retorno do Futebol.

Este trabalho permitiu que as competições coordenadas pela CBF pudessem voltar a ser realizadas com a retomada da Copa do Nordeste, em 22 de julho de 2020, em formato especial na Bahia. Ela foi seguida pelo início dos Campeonatos Brasileiros das Séries A, B, C e D, das categorias de base, do Brasileiro Feminino A-1 e A-2, da Copa do Brasil e das demais competições coordenadas pela CBF.

Ainda em agosto de 2020, foi assinado um acordo entre a CBF, a Federação Nacional dos Atletas Profissionais do Futebol (Fenapaf) e o Ministério Público do Trabalho (MPT), que permitiu ajustes necessários no calendário de 2020, com consequências no de 2021. Destaca-se a redução, em caráter excepcional, do intervalo mínimo regulamentar entre partidas de um clube, além da supressão do período de férias e pré-temporada no início do calendário 2021. Em contrapartida, foi limitado o final da temporada 2021 de modo a permitir aos atletas e clubes o descanso e preparação para 2022.

Ao longo destas duas temporadas, um dos fatores que permitiu ao futebol brasileiro manter a realização de todas as suas competições foi um protocolo de saúde eficaz. Para se ter uma ideia, só em testes RT-PCR, imprescindíveis para a detecção da covid-19, foram mais de 230 mil, somando aí as competições coordenadas pela CBF e as seleções brasileiras. Mais de 200 clubes estiveram envolvidos neste procedimento, que permitiu a realização de 2.073 jogos só em 2021.

"Após desafios inéditos, com dois calendários (2020 e 2021) consecutivos e sem espaço para férias e pré-temporada entre eles, é motivo de orgulho para a CBF terminar o mês de dezembro de 2021 concluindo todas as competições previstas para os últimos dois anos. O foco na saúde e preservação de vidas foi assegurado durante todos esses últimos meses, enquanto se buscou o retorno seguro das competições e até mesmo, mais recentemente, do público", escreveu a CBF no documento.


Morador encontra jacaré dentro de casa no Rio de Janeiro

(FOLHAPRESS) - Imagine você sair para passear com seu cachorrinho e na volta para casa dar de cara com um jacaré na sua sala. Foi exatamente isso o que aconteceu com um morador do bairro do Recreio dos Bandeirantes, no Rio de Janeiro.

De acordo com ele, em entrevista ao Bom Dia Rio, o caso aconteceu entre o final da madrugada e início da manhã desta quinta (30). Como de costume, ele sai cedo para levar seu pet para passear.
"Eu abri a porta do apartamento e o animal (jacaré) estava na soleira da porta. Foi aquele susto porque é uma situação inusitada", disse Marcelo Cruz ao jornalístico.

No momento que viu o animal, no andar térreo do apartamento, ele estava com a cabeça em cima do chinelo do morador. Minutos depois, tudo foi resolvido e uma equipe dos Bombeiros foi acionada para resgatar o bicho.

Mas essa não foi a primeira vez que um caso semelhante aconteceu envolvendo um jacaré. Em 2019, uma família americana da Geórgia teve uma visita inusitada ao se hospedar em uma casa alugada, em Miami, nos Estados Unidos. Eles flagraram um jacaré tomando sol na piscina em uma boia que era também a reprodução de um jacaré.

Em entrevista ao site Miami New Times, Dave Jacobs, que estava com a família no local para ir a um casamento, contou que eles já tinham visto o animal em um lago, do lado de fora da casa. Segundo ele, o jacaré parecia estar provocando o cachorro deles, Rascal.

"Nós achamos muito fofo", disse Jacobs. "No dia seguinte, ele apareceu na piscina", completou.

No início de maio daquele ano, em uma blitz policial no condado de Charlotte, na costa oeste da Flórida, uma mulher foi flagrada com um jacaré bebê escondido sob as calças. Ela também tinha no carro 41 tartarugas.

Em 2020, gravações de um jacaré gigante o mostram atravessando tranquilamente um campo de golfe na Flórida. Muitos internautas disseram que o bicho mais parecia um dinossauro. Outros questionaram se a imagem era real.

Em entrevista ao jornal Tampa Bay, Tyler Stolting disse que as filmagens eram verdadeiras. Ele contou que estava passando em um carrinho de golfe quando avistou o jacaré. Stolting afirmou ainda que, embora estivesse acostumado a ocasionalmente ver esse tipo de animal no local, nunca tinha se deparado com um daquele tamanho.


Andaime quase despenca e trabalhadores ficam pendurados a cerca de 60 metros em prédio da Capital

Dois operários da construção civil passaram por um grande susto no final da manhã desta quinta-feira (16), no centro de Campo Grande. O andaime em que estavam trabalhando se soltou parcialmente, e os dois ficaram pendurados no equipamento, que estava em uma altura de cerca de 60 metros.

https://www.youtube.com/watch?v=EUPZThuXv5M


Mercado Livre vai entregar 'familiares de presente' no natal

A campanha, que será veiculada em toda a América Latina, ainda realizará mais encontros dos familiares até o natal, a expectativa da companhia é que sejam impactadas pelo menos 1.500 pessoas nas festas de fim de ano

Além das clássicas compras natalinas feitas pelos consumidores brasileiros, este ano o Mercado Livre decidiu entregar outro tipo de presente. Para comemorar o primeiro natal livre das restrições de viagens, a companhia lançou a campanha "nessas festas, o melhor está chegando" em toda a América Latina para promover encontros entre familiares que ficaram separados durante a pandemia de covid-19.

Para promover os encontros, a companhia de e-commerce alugou um avião adesivado com sua logomarca que fará o transporte de 60 passageiros da Argentina, Brasil, México, Peru, Colômbia, Chile e Uruguai rumo ao reencontro com os entes queridos.

"Tratam-se de histórias reais e cheias de alegria, por meio das quais o Mercado Livre se manifesta em favor de que os encontros familiares possam ser o centro das celebrações", explicou a empresa.

Na primeira leva de viagens, os brasileiros Bruna Souza, que estava no México, e Matheus Brum, que mora atualmente no Uruguai, foram convidados a voar rumo ao Brasil.

A campanha, que será veiculada em toda a América Latina, ainda realizará mais encontros dos familiares até o natal, a expectativa da companhia é que sejam impactadas pelo menos 1.500 pessoas nas festas de fim de ano.

Aperto de mãos

Por conta da pandemia, ainda em 2020, a gigante do e-commerce decidiu modificar seu clássico logo com duas mãos se apertando para um "toque de cotovelos", que se transformou no comprimento oficial para o momento em que se evitava o avanço do contágio da covid-19.

Para o natal, o Mercado Livre retorna com seu logotipo, segundo a empresa, para convidar as pessoas a se reconectarem e valorizarem os vínculos emocionais.

"Nós continuamos preocupados com a pandemia, mantendo todos os protocolos de segurança neste momento de reencontros", afirma a diretora de marca do Mercado Livre para America Latina, Thais Souza Nicolau.

Campanha de doações

Além dos reencontros para o natal, o braço financeiro do Mercado Livre, o Mercado Pago, vai realizar uma campanha de doações para o combate à fome no País. A ação será realizada em parceria com as entidades Amigos do Bem e Ação da Cidadania.

As doações poderão ser realizadas direto no aplicativo da fintech através do "Botão de Doar", criado em 2019 especialmente para as campanhas de doação. A arrecadação ocorre até o dia 3 de janeiro na plataforma.