Infravermelho na testa faz mal? Tatá responde

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Circula nas redes sociais que os chamados termômetros de testa, de raio infravermelho, que vêm sendo usados para aferir a temperatura de frequentadores no comércio, fazem mal à saúde e à visão, podendo até a levar a casos de câncer e cegueira. É #FAKE.

Consultado pela CBN, o clínico geral e o cardiologista Marcelo Sampaio, da Beneficência Portuguesa de São Paulo, afirma que o uso deste tipo de termômetro é seguro. “Esse termômetro mede a temperatura de forma rápida e sem encostar nas pessoas. É um método bastante seguro, embora às vezes haja alguns problemas de precisão (da temperatura). Claro que não deve ser aplicado diretamente nos olhos, porque pode existir a possibilidade de lesões. Sobre a ocorrência de câncer, não existem relatos. Pelo contrário, o infravermelho é usado em alguns tratamentos oncológicos”, explica o médico.

Ele lembra que não se trata de uma novidade na medicina, e sim de algo inusual para o cidadão comum. “Os infravermelhos como método de tratamento são usados há muito tempo na medicina, desde a década de 50. Eles têm ação especial principalmente na área de reumatologia e na medicina estética. O que pode gerar problema é uso indevido.” O médico diz ser recomendável que a pessoa que faz a medição fique a uma distância de 50 centímetros de quem passa pela aferição.

A presidente da Sociedade Brasileira de Oftalmologia, Edna Almodin, também reafirma a segurança do termômetro de testa: “Os termômetros usados no comércio não prejudicam a retina. Não é utilizado nos termômetros um laser de UV (raios ultravioletas), e sim ondas de luz de UV, que por si só não alteram nossa retina.” Ela lembra ainda que a mira é na testa apenas.

Shoppings brasileiros e outros estabelecimentos aderiram à aferição rápida de temperatura de clientes e funcionários para evitar a entrada de pessoas doentes. O termômetro, que conta com um gatilho, é apontado para a parte frontal da testa. Em geral, o parâmetro é a temperatura de 37,8ºC. Se a pessoa estiver com mais que isso, o aparelho apita.

Marina Ciongoli, oftalmologista da Beneficência Portuguesa de São Paulo, ressalta que a aferição da temperatura dura poucos segundos. “Surgimento de câncer ou dano à retina só se pensaria se fosse uma exposição muito prolongada. Existem vários tipos de raios infravermelhos, e este dos termômetros, pelo comprimento da onda, a baixa potência e o baixo tempo de exposição, não leva a malefícios para a retina. Mas é recomendado que a gente não direcione para os olhos.”

A pneumologista Patricia Canto Ribeiro, da Escola Nacional de Saúde Pública, diz que, em outras circunstâncias, o infravermelho pode ser lesivo, mas não nesta em que os termômetros de testa vêm sendo utilizados: “A exposição à luz infravermelha por longos períodos pode causar, sim, queimaduras na pele e lesões oftálmicas. Mas a exposição para aferição de temperatura é um período muito curto, não sendo lesivo à pele. E claro ninguém vai ‘mirar’ no olho da pessoa”, diz Patricia.

Ela ratifica que a luz infravermelha tem utilização médica ampla. “É usada para tratamentos de lesões como artrite, artrose, lesões musculares, e na fisioterapia, com supervisão de profissional habilitado”.

Fonte: G1

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email
Veja também…