Uma incrível descoberta da NASA!

https://www.youtube.com/watch?v=N4n2QqDK7jc


Sabe a teoria do buraco de minhoca?

https://www.youtube.com/watch?v=Tl3DuTN1mHU

Qual é a diferença entre buraco negro e buraco de minhoca?

Buraco negro é um objeto cósmico cuja atração gravitacional é tão intensa que nada que penetra em seu perímetro – nem a luz – pode escapar. Isso acontece porque, no centro dele, há uma singularidade. Singularidade é algo com uma massa várias vezes maior que a do Sol compactada em um ponto minúsculo.

As equações da Relatividade Geral de Einstein revelam que esse ponto é infinitamente pequeno – sequer tem dimensões. Por ser algo sem largura, altura ou comprimento, sua densidade seria também infinita. A maior parte dos físicos concorda, porém, que isso é um bug nas equações, e que precisamos de uma teoria quântica da gravidade para alcançar uma compreensão mais razoável do que acontece lá dentro. Você pode entender detalhadamente as dúvidas que persistem sobre a astrofísica dos buracos negros na nosso mini documentário, que está aqui.

Coisas que caem no buraco negro são destroçadas e incorporadas à singularidade. Dali elas não passam. É um buraco com fundo, como um poço.

Já um buraco de minhoca é um atalho puramente hipotético entre dois pontos distantes do cosmos. Ou seja, é um túnel, e não um poço. Um buraco negro poderia funcionar como a entrada de um buraco de minhoca. O desafio teórico é arrumar uma forma de atravessá-lo sem parar na singularidade.

Vale dizer que buracos negros são reais – o M87*, no centro de uma galáxia a 53,4 milhões de anos-luz daqui, foi inclusive fotografado. Já buracos de minhoca são uma suposição meramente matemática. Ninguém sabe se é possível que eles existam.


Governo dos EUA divulga vídeos oficiais de OVNIs

O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DOD) lançou oficialmente três vídeos que mostram objetos voadores não identificados. Os vídeos foram divulgados anos atrás, graças aos esforços de Luis Elizondo e da To The Star Academy Alguns anos após a divulgação de três vídeos de UFOs gravados por pilotos de guerra da Marinha dos Estados Unidos, o governo do país decidiu fazer uma divulgação oficial dos vídeos. Com isso, algumas dúvidas e especulações foram resolvidas e outras foram reforçadas: o governo norte americano está admitindo oficialmente a existência de UFOs?O governo, no entanto, não emite qualquer opinião ou declaração sobre o que acredita estar nos vídeos. No comunicado de imprensa, o Departamento de Defesa (DOD) diz o seguinte:“O DOD está divulgando os vídeos para esclarecer quaisquer equívocos do público sobre se as filmagens que circulavam eram reais ou não ou se existem mais vídeos. Os fenômenos aéreos observados nos vídeos permanecem caracterizados como 'não identificados' ”.

No início deste mês, um novo documento adquirido pelo site Motherboard , emitido pelo Escritório de Investigações Especiais da Força Aérea (AFOSI), mostrou que, após o artigo do jornal New York Times , de dezembro de 2017, o escritório analisou a classificação dos vídeos lançados, chamados GoFast, Gimble e FLIR. FLIR agora é conhecido como o vídeo do Tic Tac.Originalmente, o AFOSI declarou que “todos os três vídeos estavam classificados” e que, apesar de uma solicitação de desclassificação ter sido feita para eles, ela nunca foi concedida. Agora, a partir de hoje, os três vídeos foram oficialmente divulgados e liberados. O lançamento dos vídeos foi feito por meio de um comunicado de imprensa do DOD. O texto original está abaixo:A palavra do governo dos Estados Unidos

COMUNICADO IMEDIATO Declaração do Departamento de Defesa sobre a divulgação de vídeos históricos da MarinhaO Departamento de Defesa autorizou o lançamento de três vídeos não classificados da Marinha, um gravado em novembro de 2004 e outro em janeiro de 2015, que circulavam em domínio público após lançamentos não autorizados em 2007 e 2017. A Marinha dos EUA reconheceu anteriormente que esses os vídeos que circulavam em domínio público eram de fato vídeos da Marinha. Após uma análise minuciosa, o departamento determinou que a liberação autorizada desses vídeos não classificados não revela nenhuma capacidade ou sistema sensível e não afeta nenhuma investigação subsequente de incursões no espaço aéreo militar por fenômenos aéreos não identificados. O DOD está divulgando os vídeos para esclarecer quaisquer equívocos do público sobre se as imagens que circulavam eram reais ou não, ou se há ou não mais vídeos. Os fenômenos aéreos observados nos vídeos permanecem caracterizados como "não identificados". Os vídeos divulgados podem ser encontrados na Sala de Leitura FOIA do Comando da Naval Air Systems: https://www.navair.navy.mil/foia/documents . Com o documento divulgado no início de abril de 2020 e agora esses vídeos sendo oficializados pelo DOD, o governo dos Estados Unidos está confirmando relatórios anteriores do site Mystery Wire e de outros veículos de jornalismo sobre a natureza do programa e declarações feitas pelos principais participantes, incluindo Harry Reid, ex-senador de Nevada, e Luis Elizondo, gerente de programa da AATIP.As primeiras dicas sobre o programa AATIP surgiram em outubro de 2017, quando o ex-oficial de inteligência Luis Elizondo subiu ao palco, em Seattle, e revelou que ele estava encarregado de um estudo secreto do Pentágono sobre encontros entre unidades militares dos Estados Unidos e Fenômenos Aéreos Desconhecidos (UAP), também conhecido como UFOs.

A 8 News Now foi uma das duas únicas organizações de notícias do país a reportar o evento, organizado pelo astro do rock Tom Delonge para lançar seu novo projeto To the Stars Academy, ao qual Elizondo se juntou assim como outros ex-membros do governo. A história ganhou força dois meses depois, quando o jornal New York Times divulgou o nome do programa AATIP. Ao mesmo tempo, dois vídeos inéditos foram divulgados. Um dos vídeos capturava um encontro de 2004 entre aviões de guerra do grupo de transportadores USS Nimitz e um UFO apelidado de Tic Tac.“Acho que temos uma compreensão muito melhor da profundidade e do escopo que o Departamento de Defesa desempenhou nos últimos tempos ... Estou falando muito recentemente, sobre o Fenômeno UFO. Acho que as pessoas ficarão surpresas com a frequência e o volume em que essas coisas são aparentemente registradas e observadas por militares em serviço em missões, em todo o mundo", declarou Elizondo.Elizondo renunciou de sua posição no Pentágono nas Forças Armadas e foi trabalhar para o astro do rock Tom DeLonge, cuja organização To The Stars Academy foi fundamental para convencer o New York Times a publicar a história do estudo do Pentágono. A história do Times provocou um tsunami de coberturas da mídia convencional sobre UFOs, em grande parte crítica ao trabalho que Elizondo diz que fez para o governo.

Fonte: Mistery Wire / Revista UFO

Assista abaixo um video explicativo sobre o assunto:


Confira a maior imagem panorâmica de Marte já feita até hoje

Com 1,8 bilhão de pixels, foto foi produzida ao longo de quatro dias pelo rover Curiosity

Imagens enviadas por sondas das mais diversas partes do Sistema Solar são sempre interessantes. É a única possibilidade que nós, meros mortais sem dinheiro para pagar uma viagem de turismo espacial, vermos uma paisagem realmente alienígena. Minhas favoritas, em particular, são as fotos de Marte.

Mas dessa vez o Curiosity se superou. O veículo da Nasa capturou e enviou o panorama de maior resolução da superfície do Planeta Vermelho já feito até hoje. A composição de mais de mil imagens tiradas em novembro passado tem 1,8 bilhão de pixels, e 2,43 GB de tamanho. E é de tirar o fôlego. Panorama de Marte feito pelo rover Curiosity (NASA/JPL-Caltech/MSSS)A foto panorâmica mostra "Glen Torridon", a região ao lado do Monte Sharp que Curiosity está explorando.

A equipe da missão aproveitou o a folga do feriado de Ação de Graças (entre 24 de novembro e 1º de dezembro) para fazer a imagem. Sem ter muito o que fazer enquanto aguardava os pesquisadores retornarem e fornecerem seus próximos comandos, o rover utilizou a câmera de seu braço mecânico para registrar seus arredores do mesmo ponto de vista por vários dias seguidos.

Foram necessárias mais de 6,5 horas diárias, ao longo dos quatro dias, para que o Curiosity capturasse as fotos individuais. "Enquanto muitos em nossa equipe estavam em casa jantando com suas famílias, o Curiosity produziu este banquete para os olhos", disse Ashwin Vasavada, cientista de projetos do Curiosity no Jet Propulsion Laboratory da NASA, que lidera a missão do rover Curiosity.

https://www.youtube.com/watch?v=X2UaFuJsqxk&feature=emb_title


Foto: Divulgação / Instituto Mauá de Tecnologia

Alunos criam pulseira que alerta pais surdos quando bebê chora

Um dos grandes desafios de pais surdos ou que sofrem com a perda significativa da audição é identificar o choro do seu filho quando estes estão fora do seu campo de visão.

Foto: Divulgação / Instituto Mauá de Tecnologia
Buscando uma solução para isso, quatro alunos do curso de Design do Instituto Mauá de Tecnologia criaram a tecnologia SILENCE, um equipamento que alerta pais deficientes auditivos que o bebê está chorando por meio de vibrações emitidas por uma pulseira.

Funciona assim: quando o bebê chora, a pulseira inserida no seu braço, munida de microfones internos, detecta uma alta frequência (o choro) e transmite a informação do que está acontecendo para a pulseira dos seus pais, vibrando-as.

De acordo com os seus criadores, a vibração é forte o suficiente para acordar os dois (se eles estiverem dormindo) ou apenas avisá-los de que o bebê precisa de atenção.

Artur Guiguer, um dos criadores do SILENCE, disse que nenhum deles jamais tiveram qualquer contato com a comunidade surda e a ideia de desenvolver um produto para essas pessoas partiu da ideia de criar um produto cujo impacto social fosse relevante e positivo.

“Nossa intenção é que as pulseiras ajudem a fortalecer o vínculo nas famílias que tem pais surdos e também dar mais autonomia para que possam cuidar dos filhos”, conta Artur.

Para incrementar o produto, os estudantes embutiram na pulseira infantil um rastreador GPS que transmite em tempo real a localização da criança para um visor instalado na pulseira do papai e da mamãe.

“Decidimos incluir o rastreador, porque em uma das palestras que fomos para a comunidade surda, um filho ouvinte de surdos nos contou do dia em que seus pais surdos o perderam no shopping quando era criança. Ele falou sobre a dificuldade que foi para os pais reencontrá-lo porque não encontraram seguranças que falassem libras e não conseguiam pedir ajuda. O GPS poderia ajudar em uma situação como essa”, diz Carlos Peres.

O projeto SILENCE atualmente se encontra em fase de prototipagem e necessita de mais investimentos para que sua versão final seja lançada e chegue aos mercados.

Os estudantes acreditam que com um maior apoio financeiro poderão lançar a tecnologia em breve, estimando em dois anos a chegada do produto às prateleiras. O SILENCE ainda não possui um preço estimado.

Compartilhe o post com seus amigos!

Fonte: Revista Crescer


Investigadores descobrem sinais misteriosos vindos do Espaço

Um grupo de investigadores pertencentes à colaboração entre o Canadian Hydrogen Intensity Mapping Experiment e o Fast Radio Burst Project descobriu um padrão nos misteriosos sinais de rádio vindos do Espaço, notando que o início destas emissões são separados por 16 dias.

Os investigadores repararam que os sinais são emitidos a cada hora ao longo de quatro dias, altura em que as emissões cessam durante 12 dias e, assim, voltam a manifestar-se. A observação foi feita entre os dias 16 de setembro de 2018 e 30 de outubro de 2019.

“A descoberta de uma periodicidade de 16 dias numa fonte de sinais de rádio que se repetem é uma pista importante para a natureza deste projeto”, pode ler-se no estudo compartilhado pela CNN. Ainda que a origem esteja ainda indeterminada, a periodicidade adiciona uma camada de mistério e intriga à descoberta.


Facebook lançará rival da TikTok em breve

O site Entrackr divulgou a notícia que o Facebook lançará uma alternativa ao app TikTok ainda nesta primeira metade do ano, provavelmente no mês de maio.

A alternativa em questão terá como nome Lasso e, tal como acontece com a TikTok, será focada em vídeos curtos com suporte de música e uma vasta oferta de ferramentas de edição.

Vale lembrar que, em um primeiro momento, o lançamento terá lugar apenas na Índia, presumindo-se que posteriormente o Lasso seja lançada em outros mercados.


TikTok aprova novas regras para combater "ideologia de ódio"

A rede social TikTok publicou novas diretrizes para a sua comunidade que incluem uma nova regra banindo quem “negar existência de eventos violentos bem documentados”.

O objetivo da empresa responsável da app – que se tornou um sucesso entre os mais jovens – é evitar a proliferação de teorias da conspiração, como quem nega que o Holocausto tenha de fato ocorrido, ou até mesmo a escrevidão.

Ao Business Insider, um porta-voz da TikTok admite que estas teorias da conspiração serão vigiadas na plataforma e que se enquadram dentro da “ideologia de ódio” da plataforma. É uma forma de combater a desinformação e preservar a história.


Novo acelerador de partículas brasileiro gera primeiras imagens

As primeiras imagens de microtomografia de raio-x do novo acelerador de elétrons brasileiro, o Projeto Sirius, foram geradas no Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM) na última semana (16 e 17). A equipe do centro já realizou as primeiras análises, utilizando raios-x, de duas amostras: uma rocha com a mesma formação do pré-sal e outro do coração de um camundongo.

O Sirius é o único acelerador de partículas desse porte na América Latina e o segundo do mundo, segundo o CNPEM, e já despertou interesse de pesquisadores dos países vizinhos. “Essas foram as primeiras imagens feitas com essa nova máquina, então é um importante marco no projeto porque a gente consegue comprovar que a máquina está funcionando bem. Ela foi inteira projetada e montada aqui no Brasil”, disse Nathaly Archilha, pesquisadora que lidera as primeiras análises.

As primeiras imagens do Sirius vão guiar os ajustes necessários para que a luz síncrotron, produzida pelo equipamento, atinja a qualidade exigida para a realização de experimentos científicos considerados de alto nível, alguns inéditos no mundo. Este foi o primeiro teste, mas a máquina foi projetada para operar em uma potência 10 mil vezes maior. O Projeto Sirius é financiado pelo Ministério de Ciência Tecnologia Inovações e Comunicações (MCTIC).

De acordo com o CNPEM, a luz síncrotron consegue penetrar a matéria e revelar características de sua estrutura molecular e atômica. O amplo espectro dessa radiação permite que os pesquisadores utilizem os comprimentos de onda mais adequados para cada experimento. O alto fluxo e o alto brilho permitem experimentos mais rápidos e a investigação de detalhes cada vez menores.

“O Sirius vai conseguir produzir uma luz extremamente intensa, com muito fluxo, então são muitos fótons de luz por segundo sendo produzidos em uma área muito pequena. Em termos gerais, pesquisadores do mundo inteiro ganham com o fato de ter uma fonte de luz menor, você consegue estudar características das amostras menores, ou seja, a gente consegue estudar coisinhas cada vez menores, propriedades das amostras cada vez menores”, disse Nathaly.

A pesquisadora contou que, no antigo acelerador do CNPEM, demorava cerca de uma hora para fazer uma tomografia de raio-x de uma rocha, no caso específico de seus estudos. “No Sirius, vamos fazer em um segundo a mesma medida. Basicamente é uma melhor resolução espacial, você consegue estudar características menores da sua amostra e de forma muito mais rápida”.

Os pesquisadores poderão, por meio do Sirius, revelar detalhes de variados materiais orgânicos e inorgânicos, como proteínas, vírus, rochas, plantas, solo, ligas metálicas. Esses conhecimentos podem causar impacto em tecnologias usadas para a produção de alimentos, energia, medicamentos e de materiais mais eficientes e sustentáveis.

“O Sirius tem uma capacidade muito grande de conseguir abranger diferentes áreas de conhecimento. Ele é um laboratório multiusuário, multitécnicas e que praticamente todo pesquisador consegue, de uma forma ou de outra, levar sua pesquisa para esse tipo de equipamento”, ressaltou a pesquisadora, que trabalha com fluxo de fluidos em meios porosos, por exemplo, casos científicos de limpeza de aquíferos.

Outro caso científico na área biológica que será beneficiado pelo Sirius é o estudo da morfologia de células do coração para tentar entender quais são as diferenças entre o coração que tem alguma patologia, alguma doença, e um coração saudável. Segundo Nathaly, os pesquisadores da área poderão investigar quais são as células afetadas por determinada doença, quais são as células que se regeneram mais facilmente, entre outras características.

O CNPEM opera quatro laboratórios nacionais, com instalações abertas à comunidade científica. Quando o Sirius estiver totalmente ajustado, sua infraestrutura estará disponível para pesquisadores do país e do exterior. “Vários pesquisadores já mandaram mensagem perguntando quando vai estar aberto”, disse Nathaly. Ela contou que pesquisadores de outros países têm grande interesse em fazer suas pesquisas usando esse acelerador de elétrons, porque a luz gerada pelo Sirius permitirá analises inéditas no mundo.

“A importância do Sirius, não só para o Brasil, mas para a América Latina, é resolver problemas da nossa região, então, por exemplo, para estudar alguma doença que ocorre na região, estudar plantas da região, é uma máquina que é muito importante para o Brasil, porque, se não é a gente tentando resolver nossos problemas, provavelmente não vai ter outro laboratório desse tipo no mundo querendo resolver. Eles estão interessados nos problemas deles”, acrescentou.

Com informações da Agência Brasil