Corpo de Bruno Covas foi enterrado em Santos

O velório do prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), que morreu neste domingo (16) em decorrência de um câncer, aconteceu no edifício Matarazzo, sede da administração municipal no centro da capital, sob forte comoção de familiares, políticos e apoiadores.

O corpo do prefeito chegou à prefeitura carregado por agentes da Guarda Civil Metropolitana por volta das 13h15. A entrada foi restrita a familiares e amigos mais próximos, por causa da pandemia de Covid-19.

Do lado de dentro, 20 pessoas acompanharam uma missa em homenagem ao prefeito. Estiveram no local os pais de Covas, Pedro Lopes e Renata Covas Lopes; o filho, Tomás; a ex-mulher, Káren; o irmão, Gustavo; o governador de São Paulo e a primeira-dama, João Doria e Bia Doria, respectivamente, e o novo prefeito Ricardo Nunes (MDB), sua mulher, Regina Nunes, além de amigos e secretários. Tio de Bruno, o também político Mario Covas Neto participou da missa lendo um dos trechos da cerimônia.

A imprensa se revezou durante o evento, podendo ficar cinco minutos dentro do hall da prefeitura.

A missa foi rezada pelo padre Rosalvino Morán, da Obra Social Dom Bosco, próximo de políticos tucanos e amigo da família Covas. Durante a missa, o padre exaltou a simplicidade, humildade e seriedade de Covas, e comparou-o ao avô, Mário Covas.

Durante a missa, Tomás, o filho de Covas, recebeu apoio de algumas das pessoas presentes e, emocionado, colocou a cabeça junto ao corpo do pai. Ao fim da cerimônia, ele ajudou a carregar o caixão de Covas até o carro do Corpo de Bombeiros.

Do lado de fora, pessoas com bandeiras do Brasil, do PSDB e do Santos Futebol Clube, clube do prefeito, se concentraram no viaduto do Chá, em frente à prefeitura. Com faixas, flores e bexigas brancas, eles aplaudiram o prefeito quando o carro com o corpo dele chegou.

O caixão de Covas saiu da prefeitura por volta das 14h30, sob aplausos, enrolado nas bandeiras do Brasil, do estado de São Paulo e da capital paulista. Balões brancos foram soltos pelo ar.
O corpo do prefeito circulou em rápido cortejo em carro aberto do Corpo de Bombeiros por ruas do centro e subiu até a avenida Paulista, onde apoiadores se concentraram na praça do Ciclista. Lá, ganhou corpo e seguiu em ritmo mais lento pela avenida em direção ao paraíso, com apoiadores carregando bandeiras do partido e da campanha do prefeito.

Na avenida, um grupo de jovens tucanos, o Tucanáticos, do qual o filho do prefeito faz parte, gritou nome de Covas durante todo o trajeto.
Entre os apoiadores, um grupo trouxe uma faixa com uma das últimas manifestações de Covas, no hospital, que dizia: "Abaixar a cabeça? De jeito nenhum".

Na altura do Masp (Museu de Arte de São Paulo), as escolas de samba paulistanas fizeram uma homenagem a Covas, ao trazer todos os estandartes. ​

O cortejo terminou sob muitos aplausos, tanto de militantes quanto de pessoas que passeavam na Paulista, na praça Oswaldo Cruz, por volta das 16h. O sepultamento foi feito em Santos, no litoral de SP, terra natal de Covas, em cerimônia restrita à família.

O corpo de Covas foi enterrado por volta de 18h no cemitério Paquetá, o mesmo onde o avô Mario Covas foi enterrado.


Jacarezinho: Faltou planejamento e inteligência em operação, dizem especialistas

https://www.youtube.com/watch?v=Uc1duyZfsYU

A operação policial no Jacarezinho, que resultou em 25 mortes nesta quinta-feira - incluindo a de um policial civil -, rendeu questionamentos por parte de especialistas e alertas de entidades ligadas aos direitos humanos. Ex-secretário nacional de Segurança Pública, o coronel reformado da PM José Vicente da Silva Filho criticou o planejamento e disse que não foram levados em consideração o potencial de reação dos bandidos e a segurança da população.

— Não importa que (os mortos) sejam bandidos ou não. Nesse caso, morreu um policial. É uma operação mal planejada. Nunca vi em nenhum lugar uma operação com tamanha quantidade de mortos; me parece uma operação lá no Afeganistão — afirmou o coronel.

Os rastros de mortes em operações policiais no Rio estão no centro do debate da segurança pública do estado há muito tempo. Mas, em 2020, com a pandemia, o ministro Édson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou que as ações fossem suspensas e só acontecessem em casos excepcionais. Após a ação no Jacarezinho, o conceito de quais seriam as condições para “excepcionalidades” mobilizou várias entidades.

A Human Rights Watch do Brasil pediu que o Ministério Público do Rio faça uma investigação minuciosa e independente para apurar o que de fato aconteceu na comunidade. A entidade observou que, apenas no primeiro trimestre deste ano, a polícia do Rio matou 453 pessoas, e ao menos quatro policiais morreram em confrontos - um número que não condiz com a ordem do STF. Entre outros pedidos de perícia, o comunicado pede que o MP garanta que “as armas de suspeitos e da polícia sejam entregues de forma imediata” para o exame balístico.

O procurador-geral de Justiça, Luciano Mattos, comunicou que as forças policiais do estado informaram ao órgão sobre a operação por volta das 9h e que o Grupo Temático do MP vai atuar na investigação para saber se houve descumprimento da ordem do STF.

— A população pode ficar tranquila que a investigação será realizada com todos os critérios. Se for constatado abuso, será instaurado um inquérito criminal — disse o procurador-geral.

A Defensoria Pública, por sua vez, afirmou que constatou flagrantes descumprimentos dos direitos humanos, que já está colhendo depoimentos de moradores da comunidade e que vai levar o caso ao conhecimento do Supremo.
Continua após a publicidade
Você viu?

Pesquisador de segurança pública da UFRJ, Michel Misse observou que, além de contrariar a decisão da Corte, que referendou no plenário a liminar de Fachin, a Polícia Civil está sendo acusada por moradores de ter executado suspeitos que teriam se rendido.

— A operação em si mesma é inadequada, nas condições de pandemia e em desrespeito à decisão do Supremo Tribunal Federal. Além do mais, uma operação em que morrem 25 pessoas, entre elas um policial, não pode ser considerada bem-sucedida. Uma operação bem-sucedida é a que você prende os suspeitos, os leva a julgamento e esclarece a ocorrência. Nesse caso, não houve nada disso. Só há mortos — criticou.

Já Vinicius Cavalcante, diretor da Associação Brasileira de Profissionais de Segurança, considera menos ruim que as baixas tenham sido entre suspeitos do que entre policiais ou inocentes. Ele argumenta que, diante do forte poderio bélico dos criminosos, não tinha como ser diferente:

— Estamos vivendo uma época em que os criminosos não respeitam mais as forças de segurança. Agora, graças à superioridade bélica deles, não se acovardam e estão ali para matar ou morrer. Nesse caso, espero que a polícia mate e não que morra.

Para o diretor da Ford Brasil e ex-diretor da Anistia Internacional, Atila Roque, o episódio precisa ser devidamente esclarecido. Ele comparou a situação do Jacarezinho a de chacinas como de Vigário Geral, em 1993, e da Baixada Fluminense, em 2005:

— Foi uma verdadeira chacina.


Beyoncé presta homenagem a Paulo Gustavo em site oficial: 'Descanse em paz'

Beyoncé incluiu um tributo a Paulo Gustavo em seu site oficial. O ator e humorista morreu nesta terça-feira (4) de Covid-19, após 53 dias de internação.

"Paulo Gustavo, descanse em paz" é a mensagem deixada na página inicial do site de Beyoncé. Ao lado, uma foto do ator e humorista.

A cantora também costuma usar a página para parabenizar aniversariantes e celebrar datas marcantes e especiais. Antes de Paulo Gustavo, Beyoncé usou o espaço para relembrar o aniversário de morte de James Brown, em 3 de maio, e o aniversário de 29 anos de Travis Scott, em 30 de abril.

Fã de Beyoncé, o ator chegou a ir a alguns shows da cantora. Em um deles, em 2013, em Nova York, nos Estados Unidos, Paulo Gustavo conseguiu pegar a toalha arremessada por Beyoncé na apresentação.


Reclame AQUI perde seu fundador, Mauricio Vargas vítima da Covid-19

A família Reclame AQUI se despede de seu fundador Mauricio Vargas, aos 58 anos, perdeu a luta que considerou a mais difícil da sua vida: a contra a Covid-19.

Logo ele, que não mediu esforços para proteger a todos e em março de 2020 encaminhar uma empresa inteira para a casa e trabalharmos em segurança, com toda a assistência necessária.

Logo ele, que não se cansava de circular com seu vozeirão pelos corredores do Reclame AQUI e cantar “Emoções”, de Roberto Carlos, e “Evidências”, de Chitãozinho & Xororó.

Logo ele, que não parava de ter ideias malucas (e maravilhosas, diga-se de passagem) e, sim, realizar a maioria delas com nosso apoio.

Logo ele, que tinha uma sede inesgotável de viver cada minuto e de aprender.

Mauricio era inspirador e criativo. Parecia enxergar o que ainda não existia. Dono de um sonho realizado chamado Reclame AQUI, que ganhou o Brasil, e, claro, o coração e a dedicação de cada um de nós. Ele transformou o mercado brasileiro.

Todo o seu idealismo, irreverência, cor, inteligência, sagacidade, conhecimento, gratidão e uma capacidade sem igual de ajudar as pessoas, não só estão gravadas nas paredes dessa empresa, como foram além delas e estão dentro de tantas outras organizações brasileiras, levadas a tantas equipes de atendimento, que acreditam, tanto quanto nós, no sonho dele.

Um dos principais lemas do Mauricio, estampado nas paredes do Reclame AQUI, dizia que "não faz sentido acumular riqueza, o importante é ter um negócio que muda a vida das pessoas". E este é o grande legado que ele deixa para sua família e para os 200 colaboradores do Reclame AQUI que agora carregam essas palavras.

Ao Mauricio, deixamos nossa eterna gratidão por cada oportunidade de sonhar e realizar com ele. Por cada conselho e abraços recebidos e os happy hours e celebrações memoráveis.

Deixamos nosso abraço carinhoso à sua família – aos filhos Felipe e Carolina, sua esposa Gloria, seus pais e irmãos.

Descanse na luz divina, Mauricio. Você ficará em nós todos.

Equipe Reclame AQUI


ASL em luto com falecimento de Hermano de Melo

A Academia Sul-Mato-Grossense de Letras pesarosamente comunica o falecimento, em 01/04/2021, do acadêmico Hermano de Melo (ocupava a Cadeira de nº 14 da ASL). Hermano publicou em 2002 o Livro de Contos “E por falar em frestas”, e lançou em 2012 o livro “Sobre tudo um pouco”. Escreveu no jornal Correio do Estado sobre temas diversos na área social, política, ecológica e outras; bem como no Blog “Liberdade, Liberdade, da turma de jornalismo UFMS-2011; além de ter publicado vários trabalhos de pesquisa na sua especialidade de Parasitologia e Doenças Parasitárias.

Faleceu aos 73 anos, em decorrência de complicações de saúde decorrentes de contaminação pelo vírus da Covid-19. Hermano radicou-se em Mato Grosso do Sul, em Campo Grande, durante a década de 1970. Natural de Sapé (PB), passou parte da infância nas cidades de João Pessoa (PB) e posteriormente na cidade de Recife (PE). Graduou-se como médico-veterinário pela UFMG, 1970, em Belo Horizonte (MG), e concluiu mestrado em Parasitologia e Doenças Parasitárias na Grã-Bretanha – onde residiu por três anos. Graduou-se ainda em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, na UFMS.

Em Mato Grosso do Sul, foi Pesquisador da Embrapa, Professor de Parasitologia e Doenças Parasitárias na UFMS, e escrevia artigos opinativos no Jornal Correio do Estado desde 2001. Foi presidente da Sociedade Sul-Mato-Grossense de Medicina Veterinária, do Conselho Regional de Medicina Veterinária – CRMV-MS e também da Associação de Docentes da UFMS em Campo Grande.

Hermano José Honório de Melo foi empossado na Academia Sul-Mato-Grossense de Letras (ASL) na noite de 30/10/2012, sendo saudado na ocasião pelo acadêmico Valmir Batista Corrêa. A Cadeira 14 da ASL pertenceu, anteriormente, a Jorge Antonio Siufi.

Que descanse em paz!
release: ASL assessoria – www.acletrasms.org.br


Morre influenciadora e estilista que lutava contra câncer há sete anos

Quem acompanhava a estilista e influenciadora digital Ana Paula Massolin Monteiro, de 41 anos, deparou-se com a triste notícia da morte dela neste domingo (28/3). Chamada carinhosamente de Aninha por familiares, amigos e seguidores, a personalidade das redes sociais lutava contra um câncer colorretal. Há sete anos, ela compartilhava em seu perfil no Instagram a batalha para vencer a doença.

Parentes da influencer confirmaram o falecimento com uma comovente publicação no Instagram. Na legenda, aproveitaram para homenageá-la: “A vida… É bonita e é bonita. Isso que ela falava todos os dias. Assim que ela viveu todos os segundos. Aninha é, e sempre será, uma grande inspiração para todos nós. Sua força, garra, otimismo e positividade. Foi por isso que ela conseguiu ultrapassar e vencer muitos desafios em sua vida”.

Foto publicada pela família para anunciar a morte de Aninha

Ana Paula estava em estado terminal no Hospital BP, em São Paulo. Na última semana, ela foi internada com pneumonia e precisou ser intubada. Durante o procedimento, a infecção cedeu e a estilista teve um grave acidente vascular cerebral (AVC). Íntima de Aninha, Fabiana Justus deu detalhes da saúde da influenciadora. A filha de Roberto Justus contou que a amiga dormia “sem dor e sofrimento” e, infelizmente, a família aguardava com tristeza a sua “passagem”

Ao saber da morte de Aninha, Fabiana também escreveu uma mensagem sobre a amiga em uma postagem emocionante. “Amiga linda do meu coração. O mundo fica mais triste sem você aqui. O céu está em festa com você aí. Você veio a esse mundo com a missão de tocar a vida de muita gente”, iniciou a fashionista. A filha de Justus completou: “Tivemos momentos incríveis e inesquecíveis antes e até mesmo durante a sua doença, porque você não se deixava abalar. Aninha, te amo e te amarei para sempre”.

Mãe de Ana Paula, Maria da Graça Gevaerd prestou tributo à filha com o post de um vídeo e a legenda: “Descansou”. Casada com Tom Monteiro, a influenciadora era apaixonada pelas cachorrinhas Lilly e Teka. Ela descobriu o diagnóstico de câncer colorretal em 2013. A doença já estava em estágio avançado com metástase no pulmão. Em entrevista ao Instituto Vencer o Câncer, a estilista contou manter-se otimista mesmo diante de momentos de medo e desespero.

Com 97 mil seguidores, o último post feito por Ana Paula traz a data de 1º de março. Na ocasião, ela comemorava mais uma vitória na luta contra o câncer. “Viva! Em duplo sentido… Estamos quase com um pezinho em casa. Essa foto simboliza muita saúde e amor”, escreveu Aninha. A publicação da morte da influenciadora soma mais de 6 mil comentários, sendo alguns de celebridades, como Ticiane Pinheiro, Nati Vozza e Silvia Braz.

A empresária Mica Rocha não economizou palavras ao lembrar de Aninha: “Só pessoas com muita luz conseguem enxergar a vida como ela enxergou em meio à dor. Tanta gente passa uma vida toda sem aprender nada. Aninha foi um meteoro de inspiração. Um anjo de luz que deixa a mensagem mais importante para nós: viver e não ter a vergonha de ser feliz”. Já a cantora Elba Ramalho afirmou não conhecer Ana Paula, mas acompanhou a “luta” contra o câncer pelo perfil no Instagram. “Rezei por ela”, comentou a artista.

Tom e Ana Paula com as pets Teka e Lilly

Mãe e filha, Maria da Graça Gevaerd e Ana Paula Massolin Monteiro

Última foto postada por Ana Paula. Ela celebrava mais uma vitória contra a doença


Cantor Paulo Sérgio morre de covid após uma semana internado

https://www.youtube.com/watch?v=5qr4idFmpjM

Morreu na manhã de 12 de março de 2021 em Campo Grande o cantor sertanejo Paulo Sérgio, vítima da covid. Ele estava internado desde o dia 6 de março na Clínica Campo Grande. Na semana passada, foi intubado e nesta sexta-feira teve 3 paradas cardíacas e morreu. Um dos agravantes no caso dele era a obesidade.

Atualmente, ele formava dupla com Santhiago, mas começou a carreira ao lado de Marco Aurélio. Os dois são reconhecidos como precursores do sertanejo universitário. A dupla cantava desde 1995, mas o primeiro disco só foi gravado em 1997, com as músicas "Escuta", "Deusa Menina" e "Deita No Meu Colo".

Em 2012 os dois se separaram, mas Paulo Sérgio também continuou cantando e como empresário de outras duplas.

Bastante abalado, o ex-companheiro Marco Aurélio disse que a amizade é eterna. "Perdemos um grande cantor. Ele fez bastante pela música, pela cultural regional, ajudou bastante gente, sempre dava a mão. era um cara de alma boa. Além disso, era excelente primeira voz. Valeu a pena ter vivido 15 anos de dupla com ele. Pedimos para todos os amigos que se cuidem, que sigam o triste exemplo do nosso amigo Paulo Sérgio para que se cuidem, o vírus está aí e mata".

No dia 7 de março, o atual parceiro, Santhiago, conseguiu entrar na UTI e cantou para o parceiro. Ontem, a homenagem foi em violada em uma pizzaria da Capital. "Por favor acreditem nessa doença, não neguem", apelou Santhiago.

Ele também agradeceu todo o apoio que a dupla recebeu de amigos e fãs. "Mas infelizmente não deu", lamentou. Segundo o sertanejo, "nos boletins, os médicos sempre nos passavam informações de que ele estava reagindo, tentando combater as infecções que eram muito fortes. A gente tinha certeza que ele iria vencer".

De acordo com dados de boletim epidemiológico divulgado nesta sexta-feira, Mato Grosso do Sul tem 192,4 mil casos confirmados e 3.563 mortes registradas desde o início da pandemia. Foram 6.547 infectados e 147 mortos pela doença apenas nos últimos 7 dias. - CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS


Brasil confirma mais 1.386 mortes e 61.602 casos de coronavírus em 1 dia

O Brasil registrou 10.517.232 casos de coronavírus e 254.221 mortes pela doença até as 18h deste sábado (27.fev.2021). A informação é do Ministério da Saúde. São 1.386 mortes e 61.602 novos diagnósticos a mais que no dia anterior.

Mulher de máscara na entrada de hospital em Brasília© Sérgio Lima/Poder360 Mulher de máscara na entrada de hospital em Brasília

O Ministério da Saúde afirma que 9.386.440 estão recuperados da covid-19 e 876.571 permanecem em acompanhamento.

Só os Estados Unidos têm mais vítimas que o Brasil. São 524.491 mortos, segundo o monitor Worldometer, consultado às 18h deste sábado (27.fev).

Poder360


Mais uma morte por Covid-19 na música, integrante do grupo Demônios da Garoa

Morreu o artista Izael Caldeira, do grupo Demônios da Garoa, vítima da Covid-19, aos 79 anos. O músico estava internado no hospital, em São Paulo, desde o início do mês de fevereiro.

"É com profunda tristeza e com os corações completamente apertados que comunicamos a todos o falecimento do nosso amado irmão Izael. Ainda sem acreditar que perdemos uma das vozes mais lindas deste país, um ser humano ímpar e que vai deixar muitas, mas muitas saudades. Obrigado por tudo. Que Deus, em sua infinita bondade, possa confortar o coração de todos os familiares, amigos e fãs", pode ler-se num comunicado do grupo, publicado no Instagram.