Procuradoria dá 48 horas para Ibama se explicar sobre recolhimento de brigadistas

A força-tarefa Amazônia do Ministério Público Federal enviou, na tarde desta quinta-feira, 22, uma requisição ao presidente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis solicitando justificativas para a decisão de recolher brigadistas que atuavam no combate a incêndios na Amazônia e no Pantanal por falta de recursos. O órgão já determinou o retorno das atividades dos 1.400 agentes de combate a incêndio, após promessa de solução financeira.

O instituto tem até 48h, a partir do recebimento do documento, para responder aos questionamentos feitos pelo MPF. As informações foram divulgadas pela Procuradoria.

No documento, a força-tarefa Amazônia questiona ainda: caso a motivação para a retirada dos brigadistas seja orçamentária, quais medidas para conter o avanço das queimadas serão adotadas; em qual prazo, a fim de que sejam retomadas as ações de combate ao fogo, em especial na Amazônia; e qual a previsão para restabelecimento integral de tais ações.

A solicitação de informações se dá no âmbito de inquérito civil instaurado para apurar a adequação das políticas públicas estaduais e federais de combate ao desmatamento e queimadas associadas no Estado do Amazonas.

Paralisação, promessa e retorno

A ordem de paralisação das ações de combate a incêndio a partir da meia-noite da quarta-feira, 21, foi dada pela chefia do Ibama e do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, por causa de atrasos em pagamentos a fornecedores e prestadores de serviços. O Ibama encara uma queda de braços com o Ministério da Economia e alega que a pasta tem segurado a execução financeira de seu orçamento.

Como mostrou o repórter André Borges, após a divulgação da paralisação das ações de combate à queimadas e uma reunião a portas fechadas com o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, o ministro Paulo Guedes se comprometeu a dar uma solução para o problema nesta sexta-feira, 23. Uma portaria do Ministério da Economia tem previsão de ser publicada ainda nesta sexta, com liberação de R$ 60 milhões. Com a promessa, o Ibama determinou o retorno das atividades dos 1.400 agentes de combate a incêndio.

COM A PALAVRA, O IBAMA

Até a publicação desta matéria, a reportagem buscou contato com o órgão, mas sem sucesso. O espaço permanece aberto a manifestações.


Papa lamenta incêndios no Pantanal e em outras partes do mundo

O papa Francisco lamentou neste domingo, 11, os incêndios que recentemente devastaram parte do Brasil, Argentina, Paraguai e também da Califórnia, nos Estados Unidos, e criticou aqueles que são causados pelo homem.

“Quero expressar a minha proximidade com as populações atingidas pelos incêndios que assolam muitas regiões do planeta, e com os voluntários e bombeiros que arriscam as suas vidas para os extinguir”, disse Francisco, momentos após a oração do Angelus. “Estou pensando na costa oeste dos Estados Unidos, especificamente na Califórnia, mas também nas regiões centrais da América do Sul, o Pantanal, o rio Paraná, a Argentina”, acrescentou.

O pontífice reconheceu que “muitos incêndios são causados pela persistente seca, mas não faltam os de origem humana” e pediu que “o Senhor apoie os que sofrem com estas catástrofes”.

Recentemente, um incêndio florestal atingiu áreas próximas ao Santuário de Elefantes, em Mato Grosso, o único na América Latina. As autoridades estão trabalhando para impedir que ele chegue a essa reserva; enquanto no mês passado, incêndios devastaram o Pantanal, a maior área úmida do mundo.

Também em setembro, incêndios florestais atingiram a província argentina de Córdoba, no centro do país, enquanto o maior incêndio da história da Califórnia ultrapassou a barreira de um milhão de hectares em 5 de outubro.

Fonte: Veja.com via MSN


Mesmo com pancadas de chuva, queimadas no Pantanal estão longe de acabar

Apesar do aumento da umidade do ar e de algumas pancadas de chuva, as queimadas no Pantanal estão longe de acabar.

https://www.youtube.com/watch?v=5Ir3CEJ4WZ4


Focos de incêndio no Pantanal batem recorde e chegam a 16 mil

Em meio à pior estiagem das últimas seis décadas no Pantanal, neste ano, o número de focos de incêndio chega a quase 16 mil, superando todos os recordes.

https://www.youtube.com/watch?v=gPtMBLfdd4Y


QUEIMADAS NO PANTANAL: As ações do Governo do Estado do MS

ENTREVISTA COM O SECRETÁRIO DE GOVERNO E GESTÃO ESTRATÉGICA, EDUARDO RIEDEL QUE ESTEVE NA REGIÃO, DO PANTANAL, E PERCORREU TRECHOS PELO RIO PAGUAI DE LANCHA

Divulgação Blink102

O secretário Eduardo Riedel avaliou como positivo o trabalho das equipes empenhadas na operação de combate aos incêndios no Pantanal, que há pouco mais de um mês castigam diferentes áreas da região. Durante vistoria o representante do Governo do Estado ressaltou as atividades da força-tarefa montada para combater os focos de calor na região, mesmo perante as complexidades.

A referência de Riedel é com base na utilização de cinco aeronaves em sobrevoos sobre a área atingida. Do total, 4 são helicópteros e as equipes ainda contam com apoio do avião Hércules nas ações integradas da Operação Pantanal II, desencadeada no final do mês de julho, que tem a participação do Governo do Estado, por meio do Corpo de Bombeiros e PMA (Polícia Militar Ambiental), Ibama e as Forças Armadas.

Devido à densa fumaça na região, a vistoria realizada – que seria um sobrevoo com helicóptero – contou com apoio de uma lancha da Marinha. Durante 40 minutos, Riedel percorreu diferentes pontos afetados pelos incêndios, por meio do Rio Paraguai.

Fonte: Blink102 e Campo Grande News