Amor além do tempo: em meio à pandemia, casal mineiro celebra 75 anos de casados

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Quando eles nasceram, as mulheres ainda nem sequer votavam no Brasil. Quando se casaram, a Segunda Guerra Mundial havia acabado de chegar ao fim. Agora, em meio à pandemia da COVID-19, celebram 75 anos de casados, junto a 12 filhos (dois in memoriam), 48 netos, 31 bisnetos e três tataranetos. Essa é a história do sr. Custódio, de 97, e da sra. Cecília, de 93, moradores de Viçosa, na Zona da Mata, que comemoram, neste sábado (26), suas “bodas de brilhante”.

Sr. Custódio nasceu em Guaraciaba, pequena cidade próxima a Viçosa; Sra. Cecília, na zona rural de Teixeiras, também nas redondezas. Ele trabalhava como lavrador de terras, e sempre teve a música como hobbie. Ela era dona de casa, como era típico da época. Em comum, gostavam de dançar e de frequentar os bailes – e foi assim que se conheceram.

“No tempo em que a gente era novo, íamos no pagode. Tinha baile e eu tirei a mãe dela para dançar, como fazia na época. Demos uma volta e ela disse pra eu tirar a filha dela. Desse dia pra cá, surgiu o amor”, relembra sr. Custódio. “Depois, ele começou a tirar ela para dançar repetidas músicas, e era assim que começavam os namoros da época”, narra Helena Martins, a filha caçula do casal. O namoro começou em 1943 e eles vieram a se casar dois anos depois, em 26 de setembro de 1945. “Ele cantava nos grupos de músico quando os dois começaram a se entrosar, se relacionar. Ele chegou a fazer um verso pra ela, ‘Eu conquistei Cecília’, quando começaram a namorar”, conta Edilan Martins, de 27 anos, historiador e neto do casal.
Parte da família reunida© Arquivo Pessoal Parte da família reunida.

© Arquivo Pessoal Religiosos, gostam de frequentar missas e novenas – agora, pela televisão

A partir de então, foram responsáveis por formar uma grande família. No total, doze filhos: Olinda, Maria Madalena, Helena, João, José, Antônio, Juarez, Itamar, Sebastião, Airton, Agostinho (In Memoriam) e Tereza (In Memoriam). Deles, netos, bisnetos e até tataranetos. “É muito legal e bonito ver tudo o que eles construíram ao longo da vida”, diz a caçula.

Hoje, mesmo com o passar da idade, são ativos e lúcidos. “A família sempre se reúne nos aniversários deles e são eles mesmos que pedem comemoração, não gostam de passar em branco”, conta o neto. “Quando tem almoço eles vêm, descem e ficam juntos da família. Sentam e às vezes até tomam uma cervejinha! Todos naquela grande mesa e ele puxa uma oração”, completa Helena.

Os dois moram sozinhos em uma casa de Viçosa, mas sempre com a companhia de outra pessoa. “A gente acorda e ele [Custódio] faz o café. A gente toma com leite, come quitanda e pão. Toma sol na garagem, vem pra sala, fica deitado e faz novena na televisão”, conta sra. Cecília.

“Eles mantém a harmonia juntos. Eles acordam, passam tempo conversando, tomam banho sozinho. Tirando os medicamentos, que nós controlamos, são muito independentes”, conta a filha. “Conversam muito, são lúcidos, se posicionam. Sabem bem do vírus, por exemplo”, completa o neto.
Religiosos, gostam de frequentar missas e novenas – agora, pela televisão© Arquivo Pessoal Religiosos, gostam de frequentar missas e novenas – agora, pela televisão

Memórias de afeto
Ao longo desses 75 anos, o que não faltam são memórias de afeto que unem, ainda mais, o casal.
“Eu cresci em um ambiente aprendendo muito com o lado caridoso dos dois. Quando morávamos na roça, eles sempre vinham com uma garrafa de leite para nos alimentar e tinham o hábito de também dar para quem precisava”, relembra Helena. “Na época não tínhamos carro, mas emprestava charrete e carro de boi para quem precisava vir na cidade”.

A disciplina dos dois também serviu de exemplo para as gerações. “Quando morávamos na roça, tinha que trazer o milho, levar o fubá, cozinhar para cuidar dos porcos. Essas obrigações constantes de todo dia são coisas que me marcaram muito”, narra o filho Sebastião.

“Nas sextas-feiras, pai vinha na cidade de Charrete, mas antes tinha que procurar e trazer o cavalo, pra trazer as coisas dele. Geralmente um frango, um quiabo e uma cachacinha que ele gostava de beber”, conta o filho Ailton Martins.

Homenagens
Cecília e Custódio acabaram se tornando parte da história da região de Viçosa. Por isso, receberam uma moção de congratulações da Câmara Municipal da cidade, por serem “exemplo de felicidade, saúde e companheirismo”.
Neste sábado (26), a partir das 19h, uma missa também será realizada em homenagem ao casal, na Paróquia Nossa Senhora do Rosário de Fátima. Os dois não escondem a felicidade de poder comemorar a data juntos. “Muita confiança e respeito, com filho, neto, bisneto”, diz sra. Cecília.

“É fácil ser casado há 75 anos com confiança, paz e amor. Mesmo depois de tanto tempo a gente ainda respeita um ao outro. Tem amor melhor que esse?”, conta sr. Custódio. * Estagiário sob supervisão da subeditora Ellen Cristie.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email
Veja também…