São Paulo já tem 11 milhões de doses da Coronavac mesmo antes da autorização da Anvisa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Mesmo sem a divulgação da eficácia – que foi adiada do dia 23 de dezembro para até 7 de janeiro -, São Paulo já estoca milhares de unidades da Coronavac desde 19 de novembro. Na manhã desta segunda-feira, 28, o governo estadual recebeu um novo lote com mais 500 mil doses da vacina, feita em parceria entre o Instituto Butantã e a biofarmacêutica chinesa Sinovac Biotech.

O lote importado da China é composto por doses já prontas para a aplicação. E, na próxima quarta-feira, 30, está prevista a chegada de mais uma remessa, com 1,5 milhão de unidades. O que totaliza cerca de 11 milhões de doses em solo brasileiro só neste ano.

“Chegamos ao fim de 2020 com aproximadamente 11 milhões de vacinas em solo nacional, garantindo o compromisso do Butantan em viabilizar o imunizante para a população brasileira para que, assim que registrada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, possa ser iniciada a vacinação”, afirmou Dimas Covas, diretor do Instituto Butantã. A vacinação em São Paulo está prevista para iniciar em 25 de janeiro.

500 mil doses da vacina Coronavac chegaram a São Paulo nesta segunda-feira, 28 © Governo de SP/Divulgação 500 mil doses da vacina Coronavac chegaram a São Paulo nesta segunda-feira, 28
Isso, porém, não garante a imunização imediata da população. Antes de tudo, é necessária a liberação do produto pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), que precisa receber os dados dos testes clínicos para poder analisá-los a fim de conceder o registro ou autorizar o uso emergencial.

A expectativa era que a eficácia, dado obtido na fase 3 dos testes, fosse divulgada antes do Natal. Na data marcada para o anúncio, porém, o Instituto Butantã, informou apenas que os índices de eficácia foram superiores ao mínimo recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), de 50%.

De acordo com o instituto, a Sinovac ainda vai analisar os dados obtidos em vários países antes de divulgá-los. A fase 3 reuniu cerca de 13 mil voluntários em 16 centros de pesquisa.

O objetivo é que os dados sejam comparados a resultados de pesquisas em outros países, evitando que a vacina tenha diferentes índices de eficácia anunciados. Na Turquia, por exemplo, o índice inicial superou os 90% de eficácia, mas é preliminar. O sigilo contratual do governo não permite, entretanto, antecipar a porcentagem obtida no Brasil.

ESTADÃO

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email
Veja também…