Síndrome que afeta crianças e jovens pode ter relação com a covid-19

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Faz pouco tempo que o Brasil começou a monitorar e relatar casos da síndrome inflamatória multissistêmica pediátrica (SIM-P), quadro potencialmente grave que afeta crianças e adolescentes e pode estar relacionado à covid-19. Por enquanto, pouco se sabe sobre esse quadro clínico, que apresenta diversos sintomas, atinge vários órgãos do corpo e, se não tratado correta e precocemente, pode matar.

Para entender o que já se sabe a respeito da SIM-P, a reportagem conversou com Marco Aurélio Sáfadi, presidente do Departamento de Infectologia da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), e Saulo Duarte Passos, médico e professor titular de pediatria da Faculdade de Medicina de Jundiaí. Confira a seguir.

Descrita como síndrome inflamatória multissistêmica (SIM-P), o quadro clínico é, possivelmente, uma reação grave e tardia à infecção pelo novo coronavírus. A condição pode afetar crianças e adolescentes de 0 a 19 anos, mas há Estados brasileiros que monitoram o quadro até 21 anos.

Os primeiros relatos foram registrados em países da Europa no final de abril, quando os serviços de saúde do Reino Unido e da França reportaram alguns casos. No começo de maio, foi noticiado um número de 15 crianças hospitalizadas em Nova York (EUA). Mais recentemente, começaram a ter registros no Brasil. Hoje, estima-se que haja mais de 300 casos em todo o mundo. No Brasil, o Ministério da Saúde publicou nota de alerta sobre a síndrome em maio e passou a fazer o monitoramento em julho.

Estadao Conteudo

Geralmente, a febre é o primeiro indício da condição, que pode estar acompanhada de dor no corpo, fraqueza muscular, dor de garganta, de cabeça e abdominal, além de diferentes manifestações gastrointestinais. E como o próprio nome diz, a síndrome é multissistêmica é pode afetar vários órgãos e sistemas do organismo, como coração e sistema nervoso central.

Há, ainda, relatos de conjuntivite e manchas ou erupções vermelhas na pele. “Isso vai progredindo e algumas crianças evoluem para choque, que é condição de maior preocupação e gravidade, além da hospitalização que motiva entrada em UTI”, diz Sáfadi.

Por enquanto, as evidências científicas são inconclusivas quanto a uma relação de causa e efeito entre a covid-19 e a SIM-P. Sabe-se, porém, que a maioria das crianças e adolescentes identificada com a síndrome foi infectada pelo novo coronavírus. Até o momento, fala-se em possível relação temporal, porque a condição clínica surge algumas semanas após um quadro de covid-19, mesmo que tenha evoluído bem.

Síndrome de Kawasaki

O médico Saulo Duarte Passos explica que a SIM-P tem algumas características com a síndrome de Kawasaki, já conhecida, que ainda não tem causa definida. “Uma das teorias é que ela seria causada por coronavírus (grupo de vírus), mas não se confirmou na prática. Só teve um trabalho que correlacionou, mas não sustentou. Com o número de casos devido à pandemia do novo coronavírus, se aventou novamente essa hipótese.” Ele também é membro do grupo Rekamlatina, que reúne pesquisadores da América Latina para o estudo da síndrome de Kawasaki.

Em Jundiaí (SP), onde atende casos de Kawasaki, Passos relata que o hospital universitário costumava ter um ou dois casos da síndrome por ano. Nos últimos sete meses, foram sete, dos quais três tiveram correlação com a covid-19 e desenvolveram SIM-P ao mesmo tempo. Dois desses casos precisaram de internação na UTI por longo período.

Tratamento

O tratamento varia de acordo com a situação da pessoas, mas além de cuidar de sintomas, como febre e dor de cabeça com antitérmicos e analgésicos, o tratamento é feito com modulador da imunidade e anticoagulantes, por exemplo. O manejo clínico tem tido êxito, com a maioria das crianças se recuperando e raros óbitos.

Segundo os médicos, ainda é muito cedo para documentar sequelas, pois os casos são novos e precisaria de tempo maior para avaliar a evolução das crianças e adolescentes após a alta hospitalar. No entanto, pela forma como a síndrome afeta o corpo, é possível que deixe marcas pulmonares, cardiovasculares ou neurológicas.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email
Veja também…